Não negue à partida uma ciência que desconhece

(Publicado no jornal Meia Hora, 27/3/2008)

Os bancos centrais do mundo ocidental continuam a dar sinais de estarem dispostos a usar de quase todos os meios para salvar o sistema financeiro. Não há semana em que não injectem liquidez e até já salvaram explicitamente dois bancos que ameaçavam falência (o Northern Rock, há uns meses, em Inglaterra, e o vetusto Bear Sterns, ainda a semana passada, nos EUA). Estamos aqui naquela dimensão vagamente mística da economia e das finanças em que o fito é devolver “confiança” aos mercados.

O que se passa é mais simples do que parece. A origem do problema está nos empréstimos hipotecários a pessoas de rendimentos baixíssimos feitas por determinadas instituições americanas (o agora célebre mercado “subprime”). Mas a amplificação do problema tem outra raiz. É que, numerosos bancos por esse mundo fora aceitaram as garantias dadas pelas tais instituições como boas, e depois numerosos outros bancos, por sua vez, aceitaram as garantias dadas pelos primeiros como boas, e por aí fora numa espécie de grande cebola de garantias sobre garantias. Ou seja, a recente expansão do sistema financeiro internacional baseou-se na capacidade de pagamento das mais pobres famílias americanas.

Agora, os bancos têm medo de não ver ressarcido o crédito que fizeram confiando nas tais frágeis garantias. E os bancos centrais tomam as vezes daqueles que não conseguem pagar. No entanto, por muito reconfortantes que sejam estas medidas, estamos a falar aqui de acções exemplares. É como se os bancos centrais dissessem: “não se preocupem, não deixaremos ninguém afogado neste mar de dívidas”, embora saibam que não podem garantir a salvação de toda a gente. No fundo, o que esperam é que, ao salvarem um banco, os outros todos confiem que vão ser salvos, mesmo sabendo que isso não é verdade. É a tal dimensão mística: dão um exemplo e depois rezam para que ele tenha sido bem escolhido. Só que há um limite para isto, a menos que queiramos entrar numa espécie de regime inflacionário latino-americano. Até agora, o sistema vem-se aguentando. O problema aparecerá no dia em que o Banco de Inglaterra, o Fed ou o BCE não salvem o primeiro banco. Mais vale rezarmos juntamente com os bancos centrais para não vermos esse dia chegar.

Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: