De uma Europa à outra

(Publicado no jornal Metro, 17/6/2010)

Comemoraram-se a semana passada vinte e cinco anos da nossa adesão à CEE. O país mudou muito. Em 1985 tínhamos ainda um Presidente militar (e lembrávamo-nos do Conselho da Revolução), éramos uma economia protegida, com taxas de 20% de inflação, e tínhamos 30 km de auto-estrada. Hoje somos uma normal democracia “civilizada”, estamos abertos ao comércio europeu, temos uma das mais fortes moedas do mundo e uma rede de auto-estradas de fazer inveja a qualquer país desenvolvido.

Mas não fomos só nós que mudámos. Foi a própria Europa. Quando pedimos a adesão em 1977, o objectivo era fugir às ameaças de “comunismo” ou de “socialismo original” que apenas dois anos antes pairavam sobre o país. Tratava-se então de nos alinharmos pelo Ocidente, transformando-nos numa democracia e num Estado-Providência. A CEE passou a ser, por isso, um dos elementos do código genético do regime nascido a 25 de Abril de 1974. Quando entrámos, oito anos depois, a CEE ainda era apenas uma comunidade de Estados independentes, abertos ao comércio e dispostos a uma certa homogeneização legal. Mas pouco depois tudo mudou. Em 1989, o muro de Berlim caiu e em 1991 a URSS acabou. A CEE deixou de fazer sentido enquanto âncora de ocidentalização. Para continuar a conferir sentido ao projecto europeu, os países-membros decidiram saltar em frente, no Tratado de Maastricht de 1992, criando a UE e a moeda única. Não se tratava agora apenas de promover a cooperação inter-estadual, mas de avançar para a união política.

Nos anos 70 e 80 fazer parte da Europa comunitária significava uma coisa. Hoje, fazer parte da UE significa outra bastante diferente. Na CEE, as instituições comunitárias nunca se imiscuiriam na definição de objectivos orçamentais, na definição da política laboral ou do sistema de pensões, como aconteceu há uma semana. Em 1985, a CEE era um selo de garantia democrática. Em 2010, a UE é mais um problema (a juntar a muitos outros) com que a democracia se tem de confrontar.

Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: