Compilação I

Na eleição de Menezes, há dois anos:

Moedas respeitáveis

(Publicado no jornal Meia-Hora, 4/10/2007)

Uma história engraçada é aquela que diz que há um PSD respeitável e um PSD não-respeitável. De acordo com ela, no sábado passado, a liderança do partido teria sido ganha pelo PSD não-respeitável. A história é engraçada, mas daí a ser verdadeira vai um passo grande. Não que não haja diferenças entre os considerados “respeitáveis” e os considerados “não-respeitáveis” do partido. Mas uns sempre precisaram dos outros (e vice-versa), e o PSD só é o que é graças aos dois. Sem os “não-respeitáveis”, os “respeitáveis” não passariam de um mero “partido de quadros” (como se dizia antigamente), ao estilo do antigo CDS. Sem os “respeitáveis”, os “não-respeitáveis” nunca vingariam em certos meios.

Esta sociologia um bocadinho tosca foi muito conveniente nos últimos anos para atribuir a “crise” do PSD ao progressivo predomínio dos “não-respeitáveis”. O auge da sua aplicação surgiu por alturas da famosa dicotomia entre a “boa” e a “má moeda”, que no fundo é a mesma divisão. De facto, foi extremamente cómodo lançar a lama toda sobre a “má moeda”. Mas tratava-se apenas de a usar como bode expiatório dos erros da “boa moeda”. Lembre-se que, imediatamente antes da “má moeda”, tinha governado (com estrondoso fracasso) a “boa moeda” – a qual, entretanto, foi reluzir lá para Bruxelas. A tábua de salvação da “boa moeda” consistiu, portanto, em culpar a “má moeda” pelo desastre, num momento de deslealdade partidária sem precedentes, iniciando uma “guerra civil” interna ao partido, que ainda não terminou.

Daqui resulta uma consequência interessante, que é a seguinte: verdadeiramente relevante não é o presumível predomínio da “má moeda”, mas sim perceber porque fracassou a “boa moeda” do PSD. Ora a “boa moeda” fracassou exactamente pelas mesmas razões que se atribuem à “má moeda” (e que efectivamente também se aplicam a ela): não ter uma ideia de governação (se excluirmos, claro, o corte e costura orçamental). A dicotomia entre a “boa e a má moeda” pode ser muito prática para a “boa moeda” salvar a pele, mas também é a melhor garantia de que o PSD continuará a ser irrelevante.

Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: